Sábado, 31 de julho de 2021

Bahia

Comerciante culpa Coelba por não alertar sobre a gravidade da situação: "Muita gente perdeu seus produtos"

Coelba afirmou que ainda não há previsão para a volta da energia

Comerciante culpa Coelba por não alertar sobre a gravidade da situação: "Muita gente perdeu seus produtos"

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Por: Geovana Oliveira no dia 21 de julho de 2021 às 19:00

Após mais de 48 horas, as ilhas de Morro de São Paulo e Boipeba caminham para mais um dia sem energia nesta quinta-feira (22). Ao Metro1, o comerciante Alex Batista, dono do restaurante Jorge Son, em Boipeba, criticou nesta quarta-feira (21) a forma como a Coelba lidou com a situação. 

"Aquela nota que soltaram antes foi de uma irresponsabilidade imensa", conta. Ainda na terça-feira (20), a Coelba minimizou o problema e afirmou que seria resolvido até as 22h. Já nesta quarta, segundo Batista, afirmaram que a energia seria retomada pela manhã e depois pela tarde, mas até o momento a situação ainda não foi resolvida.

De acordo com o comerciante, isso prejudicou ainda mais a população das ilhas. "Se tivessem dado a real gravidade da situação, a gente teria se preparado melhor. Ainda ontem teriam vindo para Valença, pegado gelo... muita gente acabou perdendo seus produtos", critica. 

O dono de restaurante relata que também perdeu alguns produtos do freezer, como carnes e mariscos, e que a situação na cidade "está um caos". "Eu cheguei a vender fiado para pessoas que nem conheço", conta. A Embasa também já emitiu nota afirmando que em algumas áreas pode começar a faltar água por não haver energia para bombear. 

Questionada pelo Metro1, a Coelba afirmou que ainda não há previsão para a volta da energia: "As equipes seguem atuando no local", informam. 

Sem energia desde segunda-feira (19), Morro de São Paulo também começa a perder os turistas por causa das complicações. Já a prefeitura de Cairu afirmou que providencia geradores para funcionamento das unidades de saúde de plantão.

Comerciante culpa Coelba por não alertar sobre a gravidade da situação: "Muita gente perdeu seus produtos" - Metro 1