Política

'Rui é cabo eleitoral importantíssimo nessa corrida', diz Cacá Leão sobre 2020

Pré-candidato à prefeitura de Salvador, ele diz quer diálogo com governador e colegas que se colocam na condição de candidato, para que se unam em torno de um projeto

['Rui é cabo eleitoral importantíssimo nessa corrida', diz Cacá Leão sobre 2020]
Foto : Tácio Moreira/Metropress

Por Juliana Almirante no dia 12 de Junho de 2019 ⋅ 09:33

O deputado federal Cacá Leão (PP) disse, em entrevista à Rádio Metrópole hoje (12), que considera o governador Rui Costa "importantíssimo" na corrida eleitoral ao Palácio Thomé de Sousa.

Cacá havia anunciado, em março deste ano, também em entrevista à Metrópole, que mudou recentemente de domicílio eleitoral para lançar a pré-candidatura à prefeitura de Salvador.

"A mudança foi para que tivesse legimitimidade para fazer discussões, conversar com partidos e pessoas, dialogar com Rui Costa, que é cabo eleitoral importantíssimo nessa corrida em Salvador", disse hoje.

Ele afirma ainda que tem conversado até mesmo com colegas que já se colocam como pré-candidatos para tentar chegar a uma candidatura única. 

"Tenho conversado com meus colegas deputados federais e alguns colegas que se colocam na condição de candidato para que a gente se una em torno de um projeto, independentemente de nome, indepentemente de sigla partidária e de quem venha a reunir as melhores condições de fazer essa disussão", declarou.

Relator do projeto de lei de Diretrizes Orçamentárias de 2020, o pepista ainda falou sobre o documento preliminar que apresentou ontem (11).

"Acho que, nesse relatório preliminar, a discussão principal é questão do Fundeb. Nós temos aí no final do ano que vem um vencimento do Fundeb. Antigamente, quando o Fundeb foi lançado, era dividido em 60% para pagamento de pessoal e 40% para investimento. Hoje 100% do recurso repassado pelo governo aos estados e municípios não paga nem a folha", criticou o parlamentar. 

"Então precisa ser reformulado. Vou encampar essa discussão na Câmara dos Deputados. Temos dificuldade com o governo, que ainda não 'pegou no tombo'. O governo ainda está na pauta econômica da reforma da Previdência, então precisamos tomar responsabilidades que não podem ser discutidas a toque de caixa, em cima da hora", completou.

Notícias relacionadas