Saúde por Matheus Simoni no dia 08 de Ago de 2017 • 12:40

Psiquiatra alerta que uso excessivo dos celulares pode ser prejudicial

Psiquiatra alerta que uso excessivo dos celulares pode ser prejudicial

Foto: Divulgação

O psiquiatra e professor da UFRJ Dr Antônio Egídio Nardi foi entrevistado por Mário Kertész na Rádio Metrópole durante o Jornal do Meio Dia nesta terça-feira (7) e alertou sobre o risco do uso excessivo dos celulares. De acordo com o especialista, o vício pode se desenvolver por algo mais grave. "Sem dúvida, pode ser prejudicial. Não chega a ser uma doença, mas é prejudicial. O celular está muito desenvolvido, é quase um computador e veio para ficar. Mas temos que saber usá-lo com etiqueta para não prejudicar o nosso entorno", disse ele.

Ainda de acordo com Nardi, crianças devem ter o acompanhamento dos pais. "O celular veio para ficar e as crianças já tem acesso aos celulares, não adianta proibir. Os pais têm que incentivar outras atividades ao ar-livre, culturais e sociais, porque se não os pais dão o celular como um calmante e acabam se desligando uns dos outros", declarou o psiquiatra, que também alerta para o uso excessivo nos adultos. "Há a necessidade de uma educação ao falar no celular, não é para ser usado numa refeição, numa consulta médica ou numa roda de amigos. Fica uma situação muito desagradável. Acaba acontecendo que o celular aproxima as pessoas distantes, mas distancia as pessoas próximas."

Nardi também falou sobre a Nomofobia, principal transtorno identificado entre as pessoas com muito apego ao aparelho móvel. "Nomofobia é uma palavra de origem inglesa: "No Mobile Fobia". As pessoas têm um medo de ficarem sem os seus celulares. Algumas pessoas precisam de um tratamento. 20% dos nossos pacientes chegam espontaneamente. Algumas pessoas perdem o emprego ou perdem amigos. Mas 80% acabam vindo após encaminhamento de alguém, por familiares ou por colegas de trabalho e chefes", informou.



publicidade:


Notícias : Saúde